SP foi quem mais cadastrou para cobrar por água

A cobrança pelo uso da água do Rio Paraíba do Sul começa a ser feita no mês de março. Dos três Estados que captam água do rio, São Paulo foi quem mais cadastrou empresas, segundo balançofechado no último dia 20 pela Agência Nacional de Águas (ANA).Foram 3.013 empresas paulistas que se comprometeram a pagar pela água retirada do rio contra 596 em Minas Gerais e 403 no Rio de Janeiro. O número em São Paulo corresponde a 75% do total de empresas cadastradas.Apesar do porcentual, o Vale do Paraíba, onde existem cerca de 2.500 estabelecimentos usuários da água do Paraíba do Sul, apenas 113 preencheram o cadastro. Apesar do baixo porcentual - apenas 4,5% - o índice não preocupa o Ceivap (Comitê para Integração das Bacias Hidrográficas).?Quem não se cadastrou foram as pequenas empresas. As grandes, que representam mais de 80% da utilização da água, fizeram o cadastramento?, informou o secretário-executivo do Comitê,Edílson Andrade.O problema encontrado no Vale do Paraíba é semelhante ao do Rio de Janeiro. No Estado carioca, apenas 10% das empresas que utilizam a água se inscreveram para a cobrança.?Porém, a grande usuária de água, a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), queconsome 8 mil litros por segundo, fez o cadastramento.?Os usuários que fizeram o cadastro terão desconto de 18% sobre a alíquota cobrada, enquanto os que se inscreverem a partir deste mês não terão a mesma redução. ?A intenção não é punir e sim educar?, disse Andrade, informando que não haverá multa para os novos cadastrados.Na tarde desta terça-feira, o Ceivap se reuniu com a Ong Vale Verde em São José dos Campos para discutir maneiras de atrair novas empresas paraa cobrança. ?A ANA vai acionar as empresas que não se cadastraram, e a ong vai ajudar até no preenchimento da ficha.?Indústrias e empresas de saneamento pagarão R$ 0,02 para cada mil litros de água captada e devolvida suja ao rio. O valor cai para R$0,008 se a mesma quantidade for tratada antes de ser despejada no rio. Para os agricultores, a taxa é de R$0,0005 por mil litros consumidos.Com a arrecadação, a ANA espera em um ano atingir a cifra de 11 milhões de reais. ?Ainda é pouco para a despoluição, mas com este dinheiro serápossível um empréstimo de cerca de 300 milhões de reais a serem pagos em 30 anos?, planeja Andrade.Atualmente, o Estado de São Paulo trata de 75% do esgoto lançado ao Paraíba do Sul. Minas e Rio de Janeiro não chegam a 5%. ?Apesar de São Paulo tratar mais, o investimento inicial será aqui (em São Paulo) porque o Estado lança a água para Rio eMinas.?A ANA estuda a possibilidade de a cobrança, que será anual, ser dividida em três parcelas. A inadimplência acarretará juros de 1% ao mês mais multa de 10%. ?Em casos mais drásticos haverá a possibilidade de se lacrarem as bombas de fornecimento de água para as empresas inadimplentes.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.