SP ganha casa de referência sobre violência contra mulher

No Brasil, 33% das mulheres já sofreram algum tipo de violência física e 11% foram espancadas pelo menos uma vez. Na cidade de São Paulo, por exemplo, as delegacias de defesa da mulher registraram, só no mês de agosto de 2002, 1.168 casos de agressões contra a mulher. Por isso, a Prefeitura Municipal de São Paulo vem trabalhando para mudar essa situação, implementando serviços que atendam a essas mulheres. No próximo dia 24 de novembro, às 14 horas, a Coordenadoria Especial da Mulher, órgão vinculado à Prefeitura de São Paulo, vai inaugurar a Casa Brasilândia, um centro de referência para questões relacionadas à violência contra a mulher. O evento contará com a participação da prefeita Marta Suplicy, da ministra Emília Fernandes da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do Governo Federal, e de representantes de entidades que defendem o direito da mulher.Os objetivos da casa serão acolher e apoiar mulheres vítimas de violência doméstica e sexual, prestar atendimento social e psicológico, encaminhar e orientá-las quando necessário para outros serviços municipais, inclusive a casa abrigo. Além disso, o espaço será utilizado para a realização de palestras, cursos e seminários voltados às pessoas da região, que serão ministrados por especialistas nesse tipo de atendimento. O local onde está situado o centro é de fácil acesso. Também como parte das celebrações do Dia Internacional do Não à Violência Contra a Mulher, a ministra Emília Fernandes lança no dia 25, a partir das 9h30, na Assembléia Legislativa de São Paulo o Programa Nacional de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher.Mais informações: Coordenadoria Especial da Mulher/fones: 3326-3765 / 3315-9077 ramais - 2290 ou 2272.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.