SP quer financiar troca de sistemas de descarga das casas

O governo do Estado de São Paulo avalia uma forma de financiar pela Nossa Caixa a troca de válvulas de vasos sanitários a fim de gerar economia de água. Hoje, segundo o governador Geraldo Alckmin, o maior consumo de água nas residências ocorre nos banheiros: chuveiro e descarga. Segundo ele, é preciso trocar as válvulas atuais, que consomem entre 30 e 40 litros por descarga, para bacias com caixa acoplada, mais modernas, que consomem seis litros. Dados da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) apontam que uma família de quatro pessoas consome cerca de 14,4 m³ de água por mês atualmente. Caso adotassem um aparelho de seis litros, o consumo cairia para 2,88 m³ por mês. O Estado já trabalha nessa troca em suas instituições. No Palácio dos Bandeirantes, na Assembléia Legislativa, e hospitais e escolas públicas já fizeram a troca. A preocupação do governo é com a economia de água, que deve exigir rodízio em algumas regiões, como na Bacia do Alto de Cotia, que tem uma pequena reserva em relação à população local. Segundo Alckmin, o rodízio pode ser bem gerenciado sem perda de qualidade para a população. "A Organização Mundial da Saúde estabelece um total de 80 a 100 litros de água per capita para garantir a qualidade de vida. São Paulo tem o dobro atualmente", explicou.Para o governador, é possível fazer um esquema de racionamento do mesmo modo que foi feito o racionamento de energia em 2001. Em paralelo, o governo vai estimular a troca das bacias sanitárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.