SP quer mais grafites no Minhocão

Pintadas, colunas virariam galeria de arte

Luísa Alcalde, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

16 de janeiro de 2009 | 00h00

Uma proposta da Prefeitura de São Paulo pretende transformar o vão livre do Elevado Costa e Silva, o Minhocão, na região central, em uma galeria oficial do grafite. As colunas de sustentação do elevado receberiam obras de grafiteiros da cidade. O secretário de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, já articula o projeto e, na próxima semana, se reúne com artistas para discutir a ideia.O secretário quer saber o que eles pensam sobre essa forma de arte e quais obras espalhadas nos muros da cidade podem ser consideradas grafite. Segundo Matarazzo, a Prefeitura não vai patrocinar os trabalhos financeiramente nem bancar material, como tintas, sprays e pistolas. "Seria uma adesão espontânea", explicou o secretário. Nesse caso, os painéis teriam de estar sempre em ordem e serem cuidados e retocados pelos autores para não se degradarem.Matarazzo também pretende mapear os grafites existentes na cidade com a ajuda dos artistas e, posteriormente, colocar o roteiro em um catálogo. As obras seriam ainda identificadas com placas com os nomes dos autores.Dessa forma, as empresas terceirizadas que prestam serviços de manutenção para a cidade saberiam que se tratam de painéis autorizados e não os apagariam, como ocorreu há uma semana na Avenida Radial Leste, com um painel dos irmãos Otávio e Gustavo, da dupla de artistas Osgemeos apagado por engano."O que têm acontecido é que murais muito degradados, com pichações por cima, feios, estragados acabam recebendo tinta por cima", explicou o secretário. Segundo Matarazzo, nem todos grafites sem autorização são apagados.O grafiteiro Eduardo Kobra apoia a iniciativa da criação da galeria do grafite. "Se puderem guardar a obra para que não pichem e não se deteriore é uma proposta interessante", afirmou. Ele defende que o espaço seja entregue a grafiteiros variados e não restrito a grupos para ser explorado de forma pluralista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.