SP registra 6º roubo a banco em quatro dias

Quadrilha estourou vidros de agência do Banco do Brasil na zona sul e deixou caixa eletrônico no meio da rua com a chegada da Polícia Militar

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

11 de março de 2009 | 00h00

Uma quadrilha formada por dez homens armados com pistolas e espingardas invadiu na madrugada de ontem uma agência do Banco do Brasil, na Avenida Santa Catarina, Jabaquara, zona sul de São Paulo. A polícia chegou no momento em que os criminosos tentavam levar um caixa eletrônico, mas não conseguiu prender ninguém. O equipamento foi abandonado no meio da rua e os bandidos fugiram. Foi o sexto roubo a banco em menos de uma semana. Na sexta-feira, cinco agências foram atacadas - em dois casos houve tiroteio.Segundo a Polícia Civil, eram 4 horas quando a quadrilha chegou ao banco em vários carros e quebrou dois vidros da agência. O vigia conseguiu acionar o botão de pânico e se escondeu atrás de uma coluna, mas foi descoberto pelo grupo. A vítima passou por uma sessão de espancamento, levou chutes e sofreu um ferimento na testa. O vigia teve o colete e três armas roubados pelos assaltantes.Em depoimento, a vítima contou que os ladrões tinham arrancado um dos caixas eletrônicos do setor de autoatendimento, mas ao retirarem um dos fios do aparelho um alarme sonoro disparou. Por medo, a quadrilha deixou o caixa na rua e fugiu sem levar nada.O caso foi registrado como roubo consumado no 35 º Distrito Policial (Jabaquara). O vigia teve alta ontem. "Graças a Deus estou bem, mas poderia ter acontecido alguma coisa pior", disse. A Secretaria da Segurança Pública (SSP) não informou o número total de roubos a banco em São Paulo neste ano. Disse apenas que o balanço será divulgado em estatísticas no próximo mês.Moradores das proximidades do Banco do Brasil disseram que ouviram um estrondo durante a madrugada, provavelmente o estouro da porta de vidro, mas acreditaram que se tratava de um acidente. "Nem imaginei que esse banco pudesse ser assaltado, pois tem vigia 24 horas e nunca vi problemas por lá", disse uma vizinha. ATRATIVODe acordo com especialistas em segurança, os bancos não têm mantido nas agências valores muito altos. Essa seria uma das razões para o novo alvo: os caixas eletrônicos. Na sexta-feira, dos cinco casos, dois tinham como alvo os caixas. "Hoje, a maioria das transações é feita virtualmente, pela internet ou com cartões. Os bancos ainda têm porta giratória, detector de metal, vigilância armada, deixando de ser atrativo", diz Felipe Gonçalves Silva, da Migdal Consultoria em Segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.