SP tem a primeira Defensoria Homossexual do País

Começou a funcionar, nesta segunda-feira, a primeira Defensoria Homossexual do País. Em um pequeno sobrado da zona sul de São Paulo, três advogados, dois deles homossexuais, e cinco estagiários prestam assistência jurídica gratuita a homossexuais que se sentem vítimas de discriminação ou agressão física. Os clientes pagam só as despesas com o processo.A Defensoria foi criada em abril, mas só na semana passada o Ministério da Justiça liberou R$ 50 mil para que ela opere pelos próximos seis meses. A Defensoria estuda parceria com a iniciativa privada para continuar as atividades.Mesmo sem o dinheiro, os advogados da Defensoria começaram a atender as pessoas que os procuravam em maio. Hoje, há dez processos em andamento.Segundo o presidente da Associação de Incentivo à Educação e Saúde (Aiessp) e um dos advogados da Defensoria, Fernando Quaresma de Azevedo, oito processos foram abertos por homens.A maioria é de reconhecimento de cônjuge e preconceito no local de trabalho. A idéia é que a Defensoria atue não só em processos individuais, mas nos interesses difusos e coletivos que possam beneficiar todos os homossexuais.A Defensoria atende de segunda a sexta, das 9h às 17h, na Avenida Doutor Altino Arantes, 83, Vila Clementino. O telefone é (0xx11) 276-9249.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.