Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

SP terá semana de altas temperaturas e de ar seco, em nível de atenção

A umidade relativa do ar deve permanecer baixa durante toda a semana. Na tarde de ontem, por volta das 15 horas, o índice chegou a 24%, o que requer atenção, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A umidade não ultrapassará os 30% ao longo da semana. Mesmo com valores baixos, o que é bastante comum no inverno, não estão previstos novos recordes, como o registrado no dia 14 de agosto, quando a umidade chegou a 10%, o menor nível já registrado na estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no Mirante de Santana, na zona norte da capital, desde 1963. "Existe uma massa de ar seco no centro-sul do Brasil desde quinta-feira passada, o que mantém o céu com poucas nuvens e inibe a chegada de frentes frias", explica o meteorologista da Climatempo André Madeira. "Com a chegada da chuva, na sexta-feira, a umidade deve aumentar." Até lá, a temperatura deve ficar elevada, beirando os 30°C. Na quinta-feira, a máxima prevista é de 32°C. Na sexta, a temperatura cai e a máxima não ultrapassa os 26°C.A baixa umidade relativa do ar contribui para o aparecimento de processos alérgicos, principalmente em crianças. "O tempo seco aliado à poluição provoca o ressecamento das mucosas de proteção do nariz, o que favorece o aparecimento de crises de rinite, sinusite alérgica e bronquite asmática", explica o médico infectologista Renato Grinbaum, do Hospital Beneficência Portuguesa.Para minimizar os efeitos alérgicos, o médico recomenda aumentar a ingestão de líquidos, sobretudo de água e sucos. Exercícios físicos devem ser evitados entre as 10 e as 15 horas, quando a temperatura é mais elevada. Soros lubrificantes, vendidos em farmácias, também podem ser bons aliados.

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

01 de setembro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.