SP vai ganhar 33 parques neste ano

A Prefeitura de São Paulo vai aproveitar terrenos há muito abandonados - e até contaminados - para entregar 33 parques (um deles sobre palafitas) até dezembro, mais que dobrando o número desses espaços públicos na capital paulista. Os locais escolhidos estão entre os mais pobres e populosos da cidade. Alguns ficam ao lado de Centros de Educação Unificados (CEUs), construídos na gestão Marta Suplicy e usados entre as principais bandeiras de campanha da petista. O plano inicial da gestão José Serra(PSDB)/Gilberto Kassab (DEM) era deixar a cidade com 100 parques. Já havia 31. Com a entrega em massa, esse número subirá para 64. Segundo o secretário Eduardo Jorge, do Verde e do Meio Ambiente, outras 40 áreas ficarão separadas, a maioria com desapropriação aprovada. "A idéia de que a cidade não tinha área livre era uma falácia. Algumas estavam cobertas de entulho. Havia algumas ocupadas de forma irregular e outras estavam abandonadas. Mas que elas existiam, existiam", afirma. "A briga por áreas livres sempre existiu no Município, a única diferença era que a Secretaria do Verde estava fora dela. Isso significa disposição política.""Houve, sim, uma integração entre Prefeitura e Estado, entre secretarias e autarquias, nunca vista antes", completa o secretário de Coordenação de Subprefeituras, Andréa Matarazzo. "Algumas dessas áreas serão instaladas em parceria com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e com a Emae (Empresa Metropolitana de Águas e Energia). Outras foram desapropriadas pelas subprefeituras. Até a Secretaria dos Esportes cuidará de um dos novos parques."O subprefeito da Capela do Socorro (zona sul), o físico Valdir Ferreira, foi o que mais se empenhou em localizar novas áreas e buscar parcerias. A região, que inclui bairros que não tinham nenhuma opção de lazer, ganhará oito áreas. "Certamente a demanda será muito forte. Veja bem, o distrito tem a mesma população de Osasco, mais de 700 mil habitantes. Há lugares em que não há nem rua direito", diz Ferreira.ÁREA CONTAMINADAUm terreno de 13,6 mil metros quadrados em Pinheiros, na zona oeste, dará lugar a um parque único na capital. O local, ao lado da Editora Abril, na Rua Sumidouro, abrigou, durante 40 anos, um incinerador da Prefeitura e será, a partir de setembro, a Praça Victor Civita - em homenagem ao fundador da empresa de comunicação vizinha. A contaminação será contida com a colocação de uma camada de solo acima do existente no local. Ocorrerá a instalação de deques feitos de madeira certificada, que ficarão no entorno da praça. As obras foram vistoriadas ontem por Kassab e a reabilitação do local, incluindo a instalação do Museu da Sustentabilidade, custará R$ 6 milhões. COLABOROU MOACIR ASSUNÇÃO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.