STF condena deputado a três anos de prisão

BRASÍLIA

, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2011 | 00h00

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou ontem o deputado federal Asdrúbal Bentes (PMDB-PA) pela prática do crime de esterilização cirúrgica irregular. A pena foi fixada em três anos, 1 mês e 10 dias de reclusão, em regime inicial aberto.

De acordo com a denúncia feita pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no período entre janeiro e março de 2004, que antecedeu as eleições municipais, Bentes, então candidato a prefeito de Marabá (PA), com o auxílio de sua companheira e sua enteada, teria utilizado a Fundação PMDB Mulher para recrutar eleitoras mediante a promessa de fornecer gratuitamente a realização de cirurgias de laqueadura tubária. As eleitoras teriam sido aliciadas, cadastradas e encaminhadas por auxiliares da campanha eleitoral do prefeito ao Hospital Santa Terezinha, onde teriam se submetido à laqueadura.

Lalau. A Advocacia-Geral da União (AGU) impediu que a Corte de Apelações de Genebra desbloqueasse um depósito de R$ 7 milhões a pedido do ex-juiz trabalhista Nicolau dos Santos Neto, o Lalau. A conta está bloqueada desde 1999. AGU e Ministério da Justiça tentam repatriar o dinheiro para o Brasil, mas a Suíça aguarda o julgamento definitivo do STJ para decidir a questão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.