Paulo Valadares/AE-29/9/2010
Paulo Valadares/AE-29/9/2010

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

STF deve adiar lei da Ficha Limpa para 2012

Norma que barra candidatos condenados não terá efeito sobre eleição do ano passado

Felipe Recondo e Mariângela Gallucci / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2011 | 00h00

O Supremo Tribunal Federal volta a julgar hoje a Lei da Ficha Limpa sob a expectativa de que derrube seus efeitos nas eleições de 2010. Por ter sido aprovada em ano eleitoral, a tendência, na Corte, é de que a maioria dos ministros, incluindo o novo integrante do tribunal, Luiz Fux, conclua que a lei só pode vigorar a partir das eleições de 2012. Se confirmada a decisão, candidatos eleitos barrados pela lei poderão tomar posse.

Dentre esses beneficiados estão Jader Barbalho (PMDB-PA), barrado por ter renunciado ao mandato em 2001 para fugir do processo de cassação, mais o ex-governador da Paraíba Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), cassado por abuso do poder econômico, e João Capiberibe (PSB-AP), senador cassado em 2004 por compra de votos. Todos tiveram votos suficientes para se elegerem para o Senado, mas foram impedidos de tomar posse pela Justiça Eleitoral.

Os candidatos que assumiram essas vagas, no caso, perdem os mandatos. Na Câmara, com a alteração do coeficiente eleitoral, deputados que hoje estão exercendo mandato deverão também perder suas vagas. Todo esse processo, adiantam os ministros, deverá gerar confusão.

O "caminho mais fácil", como definiu um ministro, será apenas dizer que a legislação não poderia ser aplicada no ano passado. Assim, os diversos pontos polêmicos da lei ficarão à espera de um futuro e incerto julgamento do Supremo. Isso deverá acontecer apenas no ano que vem, quando candidatos a vereador e prefeito forem barrados com base na lei e recorrerem novamente ao STF.

A decisão de hoje resolverá o impasse surgido no ano passado pela falta de um integrante da Corte e o empate nos julgamentos dos casos de Joaquim Roriz e Jader Barbalho. Quando os recursos dos dois políticos foram julgados, o STF estava com sua composição incompleta. As votações terminaram empatadas em 5 a 5. Diante do impasse, Roriz renunciou à candidatura. Quanto a Barbalho, o STF concluiu que deveria prevalecer o entendimento do TSE, contrário à sua candidatura.

Os recursos no STF

27

recursos extraordinários sobre a Lei da Ficha Limpa já chegaram ao STF, mas não foram julgados. Entre eles, o do candidato ao Senado Paulo Rocha (PA)

2

recursos extraordinários já foram julgados pelo STF: do candidato a governador Joaquim Roriz (DF) e do senador Jader Barbalho (PA)

4

outros processos sobre a lei - dois agravos de instrumento e dois recursos extraordinários com agravo - chegaram ao STF, mas não foram julgados

3

casos ainda podem chegar ao Supremo Tribunal Federal, entre eles está o do candidato

a deputado federal por São Paulo, Paulo Maluf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.