STF só permite greve mínima

Supremo exige pelo menos 80% do efetivo no trabalho

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

16 de setembro de 2008 | 00h00

Policiais civis prometem cruzar os braços a partir das 8 horas de hoje em todo o Estado de São Paulo. Mas o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem, em Brasília, que será necessário garantir a continuidade dos serviços e a manutenção de 80% do efetivo da corporação durante o movimento grevista. Se aderirem, a multa será de R$ 200 mil por dia. Segundo a Associação dos Delegados de Polícia, a paralisação é por tempo indeterminado. Somente casos de urgência serão atendidos. A categoria reivindica 15% de reposição salarial este ano, mais 12% em 2009 e outros 12% em 2010. A associação afirmou que, durante as negociações, o governo ofereceu 7,5% para este ano.O secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, negou ter oferecido somente 7,5% aos grevistas e informou que o governo propôs, entre outras coisas, um adicional de 100% aos delegados que acumulam cargos de chefia no interior. Prometeu, ainda, estudar a incorporação das gratificações aos salários.Outra proposta, segundo Marzagão, é acabar com um dos primeiros níveis da carreira policial, a 5ª classe (todo policial desse nível seria promovido à 4ª classe). Com isso, conseguiria aumentar o piso salarial dos policiais civis em até 28%. Nada disso teria sido aceito.O secretário contou que a situação, principalmente nas delegacias, é de ''tranqüilidade''. ''E a Polícia Militar não está em greve.'' REGRASA Associação dos Delegados insistiu que não vai registrar boletins de ocorrência, exceto em casos como homicídio e captura de procurados. Furtos, por exemplo, devem ser registrados na internet.A associação divulgou uma cartilha ditando regras para os grevistas durante a paralisação. Investigadores não deverão realizar diligências. As atividades cartorárias serão suspensas. Não haverá encaminhamento ou retirada de inquéritos. As transferências de presos serão feitas apenas em casos de flagrante ou de capturados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.