HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

STF derruba ação contra padre que associou pais de santo a 'Satanás'

Sacerdote criticou religião espírita, umbanda e candomblé em livro; para ministros, não houve crime

Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

29 de novembro de 2016 | 16h42

BRASÍLIA - Em um julgamento marcado pela discussão dos limites da manifestação religiosa e da liberdade de expressão, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira, 29, por 4 a 1, trancar a ação penal contra o padre Jonas Abib. O padre respondia a ação penal por ofensa a grupos religiosos em comentários feitos no livro "Sim, Sim, Não, Não - Reflexões de Cura e Libertação", de sua autoria.

Em 2008, o Ministério Público da Bahia denunciou o sacerdote, sob o argumento de que ele fez na obra afirmações discriminatórias à religião espírita e a religiões de matriz africana, como a umbanda e o candomblé.

"O demônio, dizem muitos, 'não é nada criativo'. Ele continua usando o mesmo disfarce. Ele, que no passado se escondia por trás dos ídolos, hoje se esconde nos rituais e nas práticas do espiritismo, da umbanda, do candomblé e de outras formas de espiritismo. Todas essas formas de espiritismo têm em comum a consulta aos espíritos e a reencarnação", diz o livro do padre.

Em outro trecho, a obra afirma que "os próprios pais e mães de santo e todos os que trabalham em centros e terreiros são as primeiras vítimas: são instrumentalizados por Satanás". O livro ainda diz que o espiritismo "é como uma epidemia e como tal deve ser combatido: é um foco de morte".

O ministro Edson Fachin, relator do processo, considerou a conduta do padre "intolerante, pedante e prepotente", mas destacou que o comentário se insere no contexto do embate entre religiões e da liberdade de expressão. "Impossibilidade, sob o ângulo da tipicidade conglobante, que conduta autorizada pelo ordenamento jurídico legitime a intervenção do Direito Penal", ressaltou Fachin.

Acompanharam Fachin os ministros Marco Aurélio Mello, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber.

"A liberdade de expressão não protege apenas as falas com as quais eu concordo ou as de bom gosto. A liberdade de expressão existe para proteger quem pensa diferente de mim. E mesmo os textos pedantes ou prepotentes também são protegidos pela liberdade de expressão", ressaltou Barroso.

"O único limite à liberdade de expressão está na questão das manifestações de ódio, sobretudo quando dirigidas a grupos vulneráveis - negros, homossexuais, aí acho que acende uma luz amarela. Não acho que os espíritas sejam um grupo historicamente vulnerável para invocar esse tipo de proteção. Embora ache que a fala do nosso padre ultrapassa todos os limites do erro escusável, não acho que ultrapasse as fronteiras do crime", prosseguiu Barroso.

Repúdio. A ministra Rosa Weber admitiu no julgamento que as expressões utilizadas pelo padre no livro lhe causaram repúdio. "Tamanha intolerância a ser repudiada não chega, contudo, às raias de atrair a aplicação do direito penal como eu compreendo. Essas expressões devem ser vistas num contexto mais amplo, e não de uma maneira isolada em que, de fato, assumem uma gravidade, a meu juízo, muito maior", ressaltou Rosa.

Único voto divergente, o ministro Luiz Fux defendeu o não trancamento da ação penal contra o padre, sob a alegação de que a "liberdade religiosa não encerra um valor absoluto".

A decisão da Primeira Turma do STF derruba acórdão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que havia considerado que a denúncia contra o padre preenchia os requisitos do Código de Processo Penal, descrevendo fatos que configurariam discriminação de religião. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.