Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

STJ concede habeas corpus a menores acusados de matar garçom

A sexta turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus aos menores A.P.M e F.M.R., acusados de participar do assassinato do garçom Nelson Simões dos Santos, em Porto Seguro, Bahia. O relator do processo, ministro Paulo Gallotti, confirmou a liminar concedida pelo ministro Nilson Naves, à época presidente do Tribunal, considerando que a internação provisória dos menores extrapolou o prazo máximo de 45 dias, previsto no artigo 108 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O crime aconteceu na noite do dia 17 de outubro de 2002, quando os rapazes ocupavam duas mesas do restaurante Sabor do Sul, localizado na Passarela do Álcool, consumindo bebidas compradas em outra barraca. Nelson Santos teria se aproximado e sugerido que os estudantes deixassem o local, pois alguns clientes estariam aguardando, em pé, vagas nas mesas. Revoltados com o garçom, os sete rapazes teriam iniciado um bate-boca e, em seguida, agredido Santos com socos, pontapés e cadeiradas. O confronto teria causado a morte do garçom.Os adolescentes foram presos na madrugada do dia 18 de outubro, em razão do flagrante realizado pela Delegacia do Turista. Após permanecerem com os demais presos até o dia seguinte, eles foram colocados numa sala, localizada numa outra delegacia, anexa ao Complexo de Polícia de Porto Seguro. No dia 22 de outubro, a Promotoria de Justiça ofereceu a representação contra os menores. O juiz da Vara da Infância e da Juventude decidiu pela internação dos dois estudantes. O ministro Paulo Gallotti, ao julgar o mérito, concedeu a ordem para permitir que os menores aguardem em liberdade o julgamento da ação de representação, em trâmite na Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Porto Seguro, condicionando o benefício ao comparecimento deles a todos os atos processuais que se fizerem necessários. Os demais ministros da turma concordaram com o entendimento de que a internação extrapolou o prazo de 45 dias determinado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Agencia Estado,

15 de setembro de 2004 | 09h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.