STJ mantém preso ex-diretor de cadeia onde chinês foi morto

O ministro Jorge Scartezzini, da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu o pedido de reconsideração de Luiz Gustavo Matias Silva, ex-diretor do Presídio Ary Franco, no Rio de Janeiro, e oficial da Polícia Militar, acusado de participar do evento que resultou na tortura e morte do chinês naturalizado brasileiro Chan Kin Chang.O ministro é relator do pedido de habeas-corpus do ex-diretor, denunciado com base na Lei de Tortura por omissão, em razão de não ter aberto sindicância para apurar seus subordinados. Com a decisão, fica mantida a prisão preventiva de Matias Silva, pelo menos até que o ministro aprecie o mérito do pedido e submeta o caso a apreciação dos demais ministros que integram a 5ª Turma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.