STJ nega liberdade a médico acusado de esquartejar ex-amante

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de habeas-corpus ao médico paulista Farah Jorge Farah, acusado de esquartejar a ex-amante Maria do Carmo Alves. Dessa maneira, ele permanecerá preso em regime fechado até seu julgamento pelo Tribunal do Júri. Maria do Carmo foi assassinada no consultório de Farah, em 24 de janeiro de 2003, em Santana, na zona norte de São Paulo.Seguindo voto do relator, ministro Gilson Dipp, a turma entendeu que a prisão preventiva de Farah Jorge Farah, preso há 3 anos e 4 meses, está fundamentada no artigo 312 da Lei Processual Penal. E pelo crime cometido não existe razão para que o acusado aguarde o julgamento em liberdade. As informações são do site do STJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.