STJ nega liberdade para acusado de furtos via internet

Otávio Oliveira Bandetini, condenado a 10 anos e 11 meses de reclusão por furto qualificado e interceptação não autorizada de dados por meio de computador, continuará preso. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o pedido de liberdade de sua defesa. Bandetini é acusado de retirar irregularmente cerca de R$ 2 milhões de contas bancárias de terceiros via internet, mediante o uso de fraude.O vice-presidente do STJ, ministro Francisco Peçanha Martins, entendeu que o decreto de prisão está devidamente fundamentado. Sustentou, ainda, que, de acordo com os autos, a manutenção da prisão se faz necessária porque Bandtini já atuava em Juiz de Fora e foi para o Rio de Janeiro recentemente, após ter sido descoberto e processado.O acusado já havia sido denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais por crime semelhante, mas conseguiu o direito de responder ao processo em liberdade. Logo após a sentença, ele se mudou para o Rio, onde continuou praticando os mesmos crimes até ser preso, em 2005, por policiais da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.