ARQUIVO PESSOAL
ARQUIVO PESSOAL

STJ nega pedido de liberdade a pai de Bernardo

Decisão foi tomada de forma unânime pelos ministros da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça; Leandro Boldrini é acusado de participar do assassinato do filho de 11 anos em 2014

O Estado de S. Paulo

07 Maio 2015 | 19h01

PORTO ALEGRE - A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou por unanimidade, nesta quinta-feira, 7, pedido de liberdade de Leandro Boldrini, pai de Bernardo, morto no Rio Grande do Sul em abril de 2014, aos 11 anos. Boldrini é acusado de participar do assassinato do filho com a mulher, Graciele Ugulini, a amiga do casal Edelvânia Wirganovicz e o irmão dela, Evandro Wirganovicz.

Os ministros mantiveram a decisão de novembro de 2014 que determinou que Boldrini permanecesse preso. Na época, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou o pedido de habeas corpus.

Nesta quinta-feira, o STJ também negou o pedido da defesa de Boldrini para que o julgamento fosse transferido da cidade de Três Passos, onde a família residia, para o município vizinho de Frederico Westphalen, onde o corpo de Bernardo foi enterrado. Os advogados do médico defendem que o clamor popular e a pressão pública podem influenciar o andamento do processo. A defesa de Boldrini deve recorrer novamente, agora ao Supremo Tribunal Federal (STF). 


O pai de Bernardo foi preso em abril de 2014. Indiciado pela polícia, acabou denunciado pelo Ministério Público. Boldrini, Graciele e Edelvânia respondem por homicídio quadruplamente qualificado (motivos torpe e fútil, emprego de veneno e recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Wirganovicz responde por ocultação de cadáver.  

Mais conteúdo sobre:
Bernardo Boldrini

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.