Submarinos vão retomar busca por caixas-pretas do voo 447

Sondas francesas vão rastrear as caixas-pretas do Airbus que caiu em maio causando a morte de 228 pessoas

Agência Estado,

15 Julho 2009 | 11h50

Submarinos franceses vão retomar, na próxima semana, as buscas pelas caixas pretas do avião da Air France que caiu no oceano Atlântico no dia 31 de maio, causando a morte de 228 pessoas, informaram investigadores nesta quarta-feira. Equipes de busca enviadas ao local depois do acidente interromperam a procura pelos sinais emitidos pelas caixas-pretas, que devem enviá-los por pelo menos 30 dias.

 

Veja também

documento Relatório da BEA sobre o acidente (em inglês)

especialLeia íntegra da entrevista com o diretor da Air France

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas da FAB pelo Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especialCronologia dos piores acidentes aéreos do mundo  

 

  

A partir da próxima semana, os submarinos franceses vão tentar localizar as caixas, numa segunda fase das buscas que deve se estender por cerca de um mês, segundo um comunicado do BEA, escritório francês responsável pelas investigações do acidente.

 

O navio de pesquisa "Pourquoi Pas" e sua tripulação vão usar duas sondas submarinas, um minissubmarino e um robô para procurar os artefatos com os dados, que estão envoltos numa caixa de metal laranja para protegê-los e torná-los visíveis. Uma das caixas grava os dados do voo, enquanto a outra captura as vozes da tripulação e os sons da cabine.

 

O Airbus 330 caiu durante uma tempestade quando ia do Rio de Janeiro para Paris com um total de 228 pessoas a bordo. As caixas-pretas podem estar a uma profundidade de 3.500 metros.

Mais conteúdo sobre:
voo 447 Airbus Air France

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.