Subprefeita encara a questão como problema social

A subprefeita da Lapa, Luiza Nagib Eluf, defende uma fiscalização humanitária, com alternativas de trabalho para quem vende à beira dos rios. Com 30 fiscais, Eluf administra o trecho com mais camelôs: do Cebolão à Ponte da Casa Verde - ali estão 43 dos 108 vendedores nas Marginais. "Esse ambulante que fica lá é o mais pobrezinho de todos e está aumentando", diz. "Mas a nossa política não é sair correndo atrás de coitado, arrancando o material que ele está vendendo. A gente dá tratamento humano para o ambulante. É proibido? Vamos tirar. Mas, por outro lado, acho importante não deixar o sujeito perdido na vida. Se ele vende amendoim e atrapalha o trânsito, sem o amendoim ele pode botar uma arma na cabeça do seu filho, uma situação pior. A gente não pode perder isso de vista."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.