Subprefeitura da Lapa tem 5 mil podas sem solução; Soninha planeja mutirão

A engenheira aposentada Edith Blumen Del Bel, de 61 anos, sempre conviveu em harmonia com a vizinhança, desde que se mudou para o prédio onde mora, no Pacaembu, zona oeste de São Paulo, há 40 anos. A situação, no entanto, começou a se complicar em 2007, quando uma vizinha cismou de entrar em seu apartamento sem pedir licença. E pela parede do quarto, no 3º andar. A vizinha inconveniente é uma árvore Tipuana tipu de 10 metros de altura, a espécie mais comum nas ruas da capital. Seus galhos estão fazendo um buraco na parede do prédio 366 da Rua Gustavo Teixeira. As rachaduras já apareceram do lado de dentro do quarto e assustaram Edith. A aposentada pediu a poda pelo telefone gratuito 156, pela Ouvidoria do Município e pelo site da Prefeitura,mas até agora nada conseguiu. A síndica do prédio e outros moradores também tentaram acionar a Prefeitura, sem resultado. À ESPERA "Já esgotei meus recursos. Faz mais de 15 anos que ela (a árvore) não é podada. A gente não quer matar a árvore, só quer diminuir um pouquinho para poder conviver", afirma a aposentada. "Um técnico da Prefeitura veio uma vez no ano passado, disse que a árvore estava imensa e em meia hora voltava. Até hoje estou esperando." A subprefeita da Lapa, a ex-vereadora Soninha Francine, alega que já recebeu o cargo com 5 mil requerimentos de corte sem solução. "Como eles estão pendentes, às vezes a mesma pessoa faz vários. Vamos fazer um mutirão para analisar esses pedidos." O Núcleo de Manutenção e Verde dessa subprefeitura só tem três pessoas, mas Soninha espera retirar o atraso em 15 dias, nem que tenha de apelar para "instâncias superiores". "Mas já ordenei a contratação de mais quatro equipes de poda e remoção. Antes, só tinha uma."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.