Sucessão de Arruda já tem dez candidatos

Partidos inscreveram nomes para tentar negociação até dia 17, dia da eleição. Estudantes lançam Tony Panetone

Carol Pires, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

Sem acordo, dez partidos inscreveram ontem, último dia de prazo, candidatos para a eleição indireta que vai escolher o sucessor de José Roberto Arruda no governo do Distrito Federal. Até o dia 17, os partidos tentarão um consenso para evitar votação na Câmara Legislativa com tantos candidatos. O excesso de nomes é uma precaução das legendas para terem uma moeda de negociação nos próximos dias.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Gurgel vê corrupção ainda maior no DF

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Candidato do DEM no DF pagou empregada com verba da Câmara

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Cúpula do DEM quer desistência de seu candidato ao governo do DF

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/especial_azul.gif Entenda a operação Caixa de Pandora

Além das candidaturas oficiais, uma brincadeira: o PPN lançou os candidatos Tony Panetone e Bezerra Dourada. O PPN, "Partido dos Pães Nacionais", representa um grupo de estudantes que inventou os candidatos como protesto contra os escândalos. Os demais candidatos inscritos representam PT, PC do B, PR, PSL-PTN, PV, PMDB, PRTB, PSDC, PTB e PRB.

Como esperado, o governador interino, Wilson Lima, lançou candidatura pelo PR. Mas surpreendeu ao registrar Jucivaldo Salazar Pereira, tesoureiro do partido, como candidato a vice. A expectativa era de que o PMDB o apoiasse, firmando, assim, a chapa mais forte. O PMDB tem três deputados distritais e o PR, um. Juntos, também agregariam cinco votos do PSDB, PP e PRP, que, agora, estão divididos entre um e outro. O candidato registrado pelo PMDB é Rogério Rosso, ex-presidente da Companhia de Planejamento do DF. O deputado federal Tadeu Filippelli, que dirige o PMDB local, admite a possibilidade de um acordo até dia 17. "Haverá desistências. Esse número de candidaturas é constrangedor", disse.

Dos dez candidatos, quatro ocuparam cargos na administração de Arruda, mas tentam se descolar de sua imagem. O PT escolheu disputar a eleição com Antônio Ibañez, ex-secretário de Educação do DF. Pelo PC do B concorrerá Messias de Souza, que até a semana passada era assessor especial de Guido Mantega no Ministério da Fazenda. / COLABOROU LEANDRO COLON

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.