REPRODUÇÃO/FACEBOOK
REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Sujo de lama, grupo protesta contra a Vale na Grande Vitória

Com cartazes nas mãos, grupo culpou a empresa pelo rompimento das barragens no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG)

Luciana Almeida, Especial para O Estado

13 Novembro 2015 | 20h27

Cobertos com lama, integrantes do grupo Frente Capixaba de Lutas, formado por movimentos sociais e sindicais, realizou um protesto na manhã desta sexta-feira, 13, na portaria da Vale, em Carapina, no município da Serra, região metropolitana do Espírito Santo.

Além da lama pelo corpo, os manifestantes levavam cartazes e culpavam a mineradora pelo rompimento das barragens que aconteceu no último dia 5, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, Minas Gerais. 

Nas redes sociais, o grupo afirma que o principal objetivo do protesto é pressionar para que a Samarco/Vale assuma a responsabilidade de arcar com todos os custos envolvidos na destruição socioambiental recente.

Eles também defendem negociação coletiva com as famílias atingidas, por meio de uma consulta popular prévia na construção de empreendimentos que possam gerar impacto ambiental e a paralisação das construções de barragens. O grupo também é favorável a que mineradoras e outras empresas que exploram bens sejam públicas e de administração popular. 

Em nota, a Vale informou que "a prioridade no momento é entender a extensão das consequências do rompimento das barragens e como podemos providenciar apoio adicional."

Disse ainda que "respeita a livre manifestação de pensamento da sociedade civil organizada".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.