Sul da Bahia tem arrastões e ataques a tiros

Transporte coletivo em cidades como Ilhéus e Itabuna segue parado e lojas estão fechadas

Diego Zanchetta, O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2012 | 14h15

Saques em lojas e mortes violentas voltaram a ser registrados na madrugada de ontem no sul da Bahia, onde 2.220 policiais militares estão de braços cruzados desde quinta-feira. O transporte coletivo em cidades como Itabuna e Ilhéus segue parado, as lojas não abrem há dois dias. Eventos pré-carnavalescos foram cancelados.

Na noite de sexta-feira, cerca de 30 pessoas fizeram um arrastão em barracas da Central de Abastecimento de Ilhéus, o que ampliou a tensão na cidade de cerca de 200 mil habitantes. Durante a madrugada de ontem, também houve arrombamentos em lojas tradicionais do centro da cidade.

“Roubaram todo o dinheiro que estava no caixa. Estava na cara que aconteceria isso sem polícia”, contou lojista Antonio Mascarenhas, de 66 anos. Ontem, ao chegar a sua loja pela manhã, no centro de Ilhéus, Mascarenhas não encontrou mais os R$ 3 mil em brinquedos.

Foram registrados ataques a tiros contra estabelecimentos comerciais em cidades como Paulo Afonso, no norte do Estado, e Barreiras, no extremo oeste. Nos dois municípios, todos os PMs aderiram à greve, em assembleias realizadas na noite de ontem. Em Barreiras, por exemplo, duas agências bancárias, uma loja de roupas, uma clínica médica e a sede da TV Oeste, afiliada da Rede Globo, foram atingidas por tiros. Não houve feridos ou saques, segundo a SSP.

Vitória da Conquista, no sul do Estado, também teve estabelecimentos danificados por ação de vândalos. Lojas do centro da cidade e uma agência bancária tiveram as portas quebradas por pedras. Em Feira de Santana, segundo maior município do Estado, foram registrados três homicídios e, em Itabuna, um. (colaborou Tiago Décimo)

Mais conteúdo sobre:
Bahia, greve, PM, violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.