Sumaré: nenhum nº de acidentes foi divulgado

Já se passaram dois anos e sete meses desde que a faixa de motos da Avenida Sumaré foi criada e até agora a Prefeitura ainda não divulgou os resultados da medida, de cunho experimental. Quando inaugurada, o então presidente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Roberto Scaringella, afirmou que o corredor seria avaliado durante seis meses para definir se a medida foi positiva ou não. Até agora a companhia não apresentou dados sobre acidentes. Para a criação da faixa da Sumaré, em setembro de 2006, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou a Deliberação 53, autorizando a Prefeitura a usar uma sinalização inédita no País por um prazo de dois anos. Ao fim desse período, a CET teria três meses para encaminhar ao Contran um relatório conclusivo sobre a faixa experimental, o que não aconteceu ainda. O presidente da Associação Brasileira de Motociclistas, Lucas Pimentel, defende as motovias, mas admite que a da Sumaré não se mostrou eficiente. "O motorista não respeita o corredor e o pedestre, sem orientação, corre risco de atropelamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.