Supervisores e controladores de vôo serão ouvidos pela PF

A Polícia Federal (PF) deve ouvir,nos próximos dias, os controladores de vôo e supervisores que trabalhavam nas torres de comando aéreo de Brasília, Manaus e São José dos Campos (SP) no dia 29 de setembro, no momento da queda do Boeing da Gol que se chocou no ar com um jato Legacy, causando a morte de 154 pessoas.Nesta terça-feira, 17, o Comando da Aeronáutica passou à Polícia Federal a lista dos controladores e supervisores que estavam de serviço no dia do acidente, marcando o início do trabalho conjunto entre os dois órgãos. "O trabalho vai ser realizado em perfeita sintonia. Em nenhum momento, a Aeronáutica demorou a passar dados ou provocou embaraços", afirmou o delegado da Polícia Federal Renato Sayão, referindo-se a notícias sobre supostas dificuldades de relacionamento entre as duas instituições na investigação das causas do acidente.Sayão esteve na tarde desta terça com o diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo, tenente-brigadeiro Paulo Roberto Cardoso Vilarinho. O delegado também negou que a Polícia Federal tenha recebido relatório ou dados de uma suposta degravação sobre o vôo 1907, como foi publicado nesta segunda-feira, 16, pela imprensa. Ele informou que, na quinta-feira, 19, técnicos da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) vão se reunir com os investigadores do acidente para explicar como é o funcionamento do avião Legacy. A Polícia Federal quer saber se houve falha mecânica ou se o transponder, equipamento de comunicação do avião com as torres de controle, foi desligado manualmente pelo piloto. O delegado não divulgou o local da reunião, que deverá ser reservada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.