Suplente de Havanir quer ser presidente do Brasil

Com um jeito simples, mas alegre e de muitas palavras, o novo vereador do Prona, o vendedor Manoel da Cruz, esteve nesta terça-feira na Câmara Municipal para conhecer seu novo local de trabalho a partir do próximo ano. Durante a tarde, ele passeou pelo Palácio Anchieta com a vereadora Havanir Nimtz (Prona), que vai para a Assembléia Legislativa assumir o mandato de deputado estadual. A Câmara, segundo ele, é apenas o primeiro passo para um projeto mais ambicioso. "Meu sonho é chegar à Presidência da República", afirmou. E tem fé para que isso aconteça. "Sou uma pessoa muito persistente, desde a infância."Cruz não foge das perguntas, mas responde a maioria de maneira vaga. Afirmou que está lendo o Regimento Interno e a Lei Orgânica do Município, tem algumas dúvidas sobre o funcionamento da Câmara, sem especificar quais, e acompanhou "de longe" as discussões sobre o projeto mais polêmico desse ano, o Plano Diretor.Sobre o novo trabalho, ele diz que pretende encaminhar projetos de Havanir que ficaram pendentes no legislativo municipal, e que sua linha de atuação será pela regularização da moradia irregular. Entretanto, não tem opinião sobre o projeto de anistia que já está tramitando na Casa. "Não tenho conhecimento profundo desse projeto", justificou.Falante, a todo momento atende o celular que toca "jingle-bells". Afirmou que, desde que foi contemplado com uma cadeira na Câmara, tem recebido muitos pedidos. "Tenho tido mais solicitações do que os votos que recebi", brinca, referindo-se aos 1.639 votos que teve na última eleição. "Tem muita gente desempregada que precisa de ajuda."Por enquanto, Cruz não pretende deixar o emprego de vendedor de automóveis, pois precisa se sustentar. Ele lembrou que só vai começar a receber salário de vereador em 2003. "Para abrir mão de um ganho é preciso ter outro ganho?, filosofa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.