Suposta imagem de santa atrai 30 mil pessoas

Quem saiu neste domingo à tarde para ver de perto a suposta imagem de Nossa Senhora no vidro da janela de uma casa em Ferraz de Vasconcelos, região leste da Grande São Paulo, não tinha como errar o caminho. Bastava seguir a multidão que caminhava pela vizinhança e se aglomerou nas proximidades do número 330 da Rua Antônio Bernardino Corrêa. Segundo estimativas dos policiais que faziam a segurança da casa, só no domingo, até as 17 horas, cerca de 30 mil pessoas haviam passado diante da imagem, rezando e aguardando a sua vez em uma fila de mais de 2 quilômetros. A maior parte das pessoas, porém, não estava esperando na fila para ver de perto a "santa". Os curiosos aglomeravam-se nas lajes das casas vizinhas, nas calçadas e ruas próximas. A multidão aumentou significativamente de tamanho no fim da tarde, quando se espalhou a notícia de que o apresentador de TV Gugu Liberato e o padre Marcelo Rossi estavam para chegar. As mães tinham dificuldades em conter as crianças, mais interessadas em aparecer diante das câmeras de televisão. Mas não era só as crianças que estavam fascinadas com as luzes dos refletores e a possibilidade de ver de perto pessoas famosas. Carlos Alberto Miranda Costa, de 29 anos, operário que mora nas proximidades da Bernardino Corrêa, disse que só estava enfrentando a multidão naquela hora porque ouviu a notícia de que o padre Marcelo e Gugu estariam no local. "Sou católico, mas acho que as pessoas idolatram tudo". João Muniz Prado, de 70 anos, aposentado, disse que passa sempre pela rua para ver o que está ocorrendo. "Tem uma imagem no vidro, mas não posso afirmar que seja uma santa ou não porque sou leigo no assunto." Na análise de Prado, as pessoas que vão até o local são movidas por um pouco de crença e outro tanto de curiosidade. "Além disso, as pessoas estão gostando porque esse acontecimento agitou um pouco o local, normalmente calmo, onde nada acontece e ninguém tem espaços destinados aos lazer". "Isso aqui virou um lugar turístico e mais de 70% das pessoas que vêm aqui não estão querendo ver a santa, mas estão interessadas em aparecer e são atraídas pelas câmaras de televisão", afirmou a dona de casa Miriam Cristina Cerino, de 30 anos. Ela reclamou ainda que não tem mais tranqüilidade, porque os dois filhos, de 9 e 11 anos, não querem mais ficar em casa e fogem o tempo todo, também atraídos pelo burburinho provocado pelo "milagre". Ela disse que mora no bairro há 12 anos. "Era tudo muito calmo, mas agora virou toda essa confusão de ambulantes e flanelinhas, que só pensam em lucrar." Já a aposentada Quitéria Antônia da Conceição, de 76 anos, vizinha da casa que tem a janela com a suposta imagem, não reclamou da confusão. Ela disse que tem fé, gosta de ver as pessoas cantando e rezando das 8 horas da manhã às 8 horas da noite. Sua nora, Ana Amélia de Souza, também disse que gosta do que está ocorrendo, porque toda a agitação dos "romeiros" está levando um pouco de movimento para um lugar que antes não tinha nada. Orgulhosa, Ana Amélia apresenta o filho Lucas de Souza, de 6 anos. Segundo ela, o menino estava presente, brincando com outras crianças na rua, quando a imagem da santa foi descoberta. Naquele momento, porém, como outras crianças, Lucas só queria sair de casa e ir para a rua ver as câmaras da televisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.