Suposto autor de facadas nega ter matado estudante na Unicamp, mas admite ter iniciado briga

Outras seis pessoas foram interrogadas; rapaz foi esfaqueado durante uma briga no sábado, 21

Ricardo Brandt, O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2013 | 19h06

CAMPINAS - A Polícia Civil ouviu nesta segunda-feira, 23, o principal suspeito da morte do estudante Denis Papa Casagrande, de 21 anos, esfaqueado durante uma briga em uma festa dentro do campus da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), na madrugada do sábado, 21. Outras seis pessoas, que teriam participado da briga, também foram interrogadas.

O atendente Anderson Marcelino Mamede, de 20 anos, negou que tivesse matado o estudante, mas admitiu agressão e explicou a motivação da briga. "Eu bati nele com o skate porque ele assediou minha namorada. Mas não dei facada nele", afirmou. A namorada dele, Maria Tereza Pelegrino, de 20 anos, também foi ouvida pelo delegado de Homicídios, Rui Pegolo.

"Já esclarecemos a motivação do crime, mas estamos aguardando para confirmar quem foi o autor da facada. Foi uma briga generalizada", afirmou o delegado.

O estudante morto cursava o segundo ano de engenharia e controle de automação, da Faculdade de Engenharia Mecânica. Denis morreu no hospital depois de ser esfaqueado no abdômen em uma briga com punks, por volta das 3h30.

A festa que acontecia no Ciclo Básico da Unicamp foi organizada pela Rádio Muda - rádio clandestina montada dentro da universidade. Segundo a assessoria de imprensa da Unicamp a festa não tinha autorização para acontecer no local. Nesta segunda-feira, 23, foi criada uma comissão para apurar internamente o caso.

Mais conteúdo sobre:
Campinasassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.