Suposto chefe do Comando Vermelho é preso em Santa Catarina

Considerado líder do grupo, ele foi preso enquanto negociava a compra de um carro em agência de veículos

Solange Spigliatti e Pedro Dantas, estadao.com.br e O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2009 | 13h43

Considerado um dos responsáveis pelas finanças do Comando Vermelho e apontado como chefe do tráfico em várias favelas na zona norte do Rio, Fábio Pinto dos Santos, o Fabinho do São João, foi preso na quinta-feira, 8, em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina. A prisão do traficante aconteceu quando ele negociava a compra de um carro em uma agência de automóveis. Ele não resistiu a prisão. O suspeito chegou ao Aeroporto Santo Dumont, no Rio, na tarde desta sexta-feira, 9, segundo a polícia.   Os policiais da 20.ª Delegacia de Policia, do Rio, receberam apoio de agentes da Diretoria Estadual de Investigações Criminais de Santa Catarina. Quatro inspetores viajaram para Santa Catarina após a polícia receber a informação de que o foragido comprara três terrenos para construir uma casa no município litorâneo de Aranguá. Fabinho é acusado de ter participado da troca de tiros com agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos, no Rio, no final do mês de novembro, em Manguinhos. Na ocasião, cerca de seis policiais ficaram feridos e várias veículos foram alvejados durante o tiroteio.   De acordo com a polícia, Fabinho do São João comanda o tráfico de entorpecentes em vários morros, entre eles Manguinhos, todos da mesma facção criminosa. Com 21 anotações criminais e oito mandados de prisão, ele estava foragido desde janeiro do ano passado, quando ganhou o benefício da Visita Periódica ao Lar após passar dez anos preso por tráfico de drogas.   A delegada-titular da 20.ª DP de Vila Isabel, Roberta Carvalho, disse que a investigação dispensou escutas telefônicas e foram facilitadas, porque a atual mulher de Fabinho, que também já cumpriu pena, deu à luz no dia 9 de dezembro, e os policiais sabiam que ele iria visitá-la.   Atualizado às 19h37 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.