Surdo-mudo confessa homicídio e pode ir a júri

O deficiente auditivo Fernando Bernardo, de 20 anos, apresentou-se hoje à Polícia Civil de Sorocaba assumindo a autoria do assassinato do aposentado José Maria de Camargo, de 44 anos, morto com 54 facadas, no último dia 22. Caso a confissão seja aceita pela Justiça, Bernardo será submetido a um julgamento especial. Por ser surdo-mudo de nascença, o júri será acompanhado por tradutores juramentados com conhecimento da linguagem de sinais.Bernardo compareceu à Delegacia de Investigações Gerais (DIG) acompanhado de um advogado e de sua mãe, que traduziu suas declarações. Ele disse que atacou o aposentado porque este vinha prometendo matá-lo. Bernardo cultivava uma horta em um terreno da extinta Fepasa - Ferrovia Paulista S/A e acusou Camargo de ter cortado a cerca e permitido a entrada de um cavalo na plantação. O fato teria gerado uma desavença entre os dois.O aposentado foi atacado quando estava em um ponto de ônibus. A polícia considerou que ele foi morto com requintes de crueldade. Bernardo disse ter agido sozinho mas, segundo o delegado titular da DIG, André Moron, testemunhas afirmaram que a vítima foi agredida por quatro pessoas. Entre elas, estariam dois irmãos do surdo-mudo. O delegado considera improvável que o deficiente auditivo tivesse desferido, sozinho, um número tão grande de golpes com a faca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.