Suspeita clara e investigação lenta

Flagrado em 2007 em conversas telefônicas acertando a partilha de um cheque de R$ 2,2 milhões somente este ano Joaquim Roriz se tornou alvo de ação por improbidade administrativa movida pelo Ministério Público Federal. Depoimento prestado pelo ex-governador José Arruda em julho deste ano na Procuradoria Regional da República pode indicar as razões para a demora. De acordo com Arruda, a promotora de Justiça Deborah Guerner contou ter recebido de Roriz R$ 2,4 milhões, pagos em três parcelas, como propina para não ingressar com a ação contra Roriz.

, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2010 | 00h00

Arruda afirmou aos procuradores que os cheques teriam sido entregues a Deborah pelo ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal e principal operador do mensalão do DEM Durval Barbosa. A promotora teria contado que Roriz ainda lhe devia um cheque, a quarta parcela, no valor de R$ 800 mil. As denúncias contra Roriz vieram à tona durante o episódio que se tornou conhecido como Bezerra de Ouro.

Na época, escutas telefônicas revelaram uma negociação entre ele e o ex-presidente do Banco de Brasília Tarcísio Franklin para dividir R$ 2,2 milhões dados pelo empresário Nenê Constantino. Ao explicar a transação, Roriz afirmou que o dinheiro seria um empréstimo para a compra de uma bezerra. O argumento não convenceu a opinião pública e, diante das pressões, Roriz acabou renunciando ao mandato de senador.

As denúncias contra Roriz e Deborah foram feitas por Arruda durante suas explicações sobre o escândalo em que ele foi protagonista: a Operação Caixa de Pandora. Aos procuradores, Arruda afirmou que Deborah teria repetido com ele o procedimento adotado com Roriz: em troca de propina, ela não divulgaria uma fita feita por Barbosa, em que ele aparece recebendo dinheiro supostamente ilegal, em 2005. A gravação fazia parte da coleção de vídeos que mais tarde deflagrou uma crise política inédita no DF.

Roriz e Arruda foram aliados no passado. Arruda, no entanto, não esconde sua desconfiança de que Roriz teria orquestrado as denúncias que o levaram a perder o governo do Distrito Federal e ir para a cadeia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.