Suspeita de erro médico em morte de crianças

As quatro crianças que morreram na quinta e na sexta-feira no Hospital Salgado Filho, no Méier, zona norte, podem ter sido vítimas de um envenenamento provocado por erro médico. Inicialmente suspeitava-se de um surto de meningite, mas no fim da tarde a Secretaria Municipal da Saúde levantou a hipótese de que tenha havido uma troca de medicamentos. Foram encontrados vazios frascos do forte anestésico succinil colin, à base de curare, um veneno paralisante usado pelos índios. O erro pode ter ocorrido porque o frasco do succinil é muito semelhante ao do remédio cortizonal (à base de cortizona), que deveria ter sido colocado no soro dos bebês. "Essa hipótese é fortíssima. Os frascos de curare não poderiam estar no andar da enfermaria pedriátrica, colocando em risco as 32 crianças ali internadas. Vamos investigar como o medicamento saiu da farmácia", declarou o novo secretário da Saúde, o deputado federal Ronaldo Cezar Coelho (PSDB), que assumiu o cargo depois de o prefeito César Maia (PTB) ter demitido, por e-mail, o secretário Sérgio Arouca. A Polícia Civil abriu inquérito para investigar a morte dos bebês. Os boatos iniciais sobre meningite desesperaram as mães de recém-nascidos, que tiraram seus filhos da enfermaria pediátrica e foram para o estacionamento do local. A diretora do Salgado Filho disse que "todas as hipóteses" para as mortes estão sendo investigadas. Segundo ela, não está descartada a possibilidade de que as crianças tenham desenvolvido meningite viral (mais branda). Ela descartou completamente um surto da doença do tipo meningocócica (mais grave, muitas vezes fatal).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.