Suspeita de matar idosa que voltava de bingo é presa

A polícia de São Paulo prendeu, nesta quarta-feira, 5, a mulher que é suspeita de ter matado Conceição Venegas, de 70 anos, morta por estrangulamento em sua casa, em 20 de maio deste ano.De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, as câmeras do circuito interno do prédio onde Venegas morava registraram as duas mulheres entrando no edifício quando retornavam de um bingo. As imagens mostraram uma mulher morena, cabelo de corte chanel, com 1,60 metro de altura e olhos castanhos, com aparência entre 35 e 40 anos, acompanhando a vítima. Conceição vivia sozinha e raramente recebia visitas de amigos ou de parentes. Era assídua freqüentadora do bingo Borba Gato, em Santo Amaro, na zona sul, e tinha nas cartelas e no bate-papo com conhecidos seus principais Passatempos. No sábado, dia 20 de maio, ela repetiu a rotina de dirigir seu Mitsubishi até o bingo. Lá, nas mesas, provavelmente conheceu a sua assassina. Sem perceber o perigo, Conceição convidou a mulher morena para ir a seu apartamento, no Condomínio Boa Vista, perto do bingo. Foram as câmeras de vídeo do bingo que registraram as duas saindo juntas do local. A suspeita é filmada entrando no Borba Gato por volta das 14 horas e deixando o local, com Conceição, por volta das 18 horas. O que aconteceu depois ainda não foi esclarecido pela polícia. Conceição foi encontrada morta três dias depois do crime por uma amiga que, estranhando sua ausência no bingo, decidiu visitá-la. Ao chegar no apartamento, a amiga, identificada como Vera Lúcia, encontrou tudo revirado e Conceição na suíte, estrangulada com as próprias roupas e pedaços de cortina. Havia indícios de luta e respingos de sangue em vários cômodos. As gavetas estavam reviradas e havia muita bagunça no local. No entanto, a polícia registrou o caso como homicídio qualificado e não como latrocínio. Isso porque, como a vítima morava sozinha, não foi possível ter certeza de que nenhum objeto ou dinheiro foi levado.Texto corrigido às 20h26

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.