Ellis Rua/AP
Ellis Rua/AP

Suspeito de envolvimento na morte de Marielle Franco é transferido para o presídio em RN

Ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo estava detido em Bangu

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 12h20

RIO - O ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicica, foi transferido na manhã desta terça-feira, 19, para uma penitenciária federal de segurança máxima em Mossoró, no Rio Grande do Norte. A defesa do ex-PM disse que a transferência é irregular e prometeu recorrer.

Curicica, que seria chefe de milícia em Jacarepaguá, na zona oeste, foi apontado por uma testemunha como um dos responsáveis pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. A mesma testemunha também apontou Curicica como mandante do crime o vereador Marcello Siciliano (PHS). Os dois negam as acusações.

+++ Caso Marielle joga luz sobre milícia em alta

"Eu gostaria que alguém me explicasse o motivo dessa transferência", afirmou o advogado de Curicica, Renato Darlan. "Ele está preso por porte de arma, essa é a razão da transferência? Os jornais falam em 'envolvimento com o caso Marielle', ora, ele não foi nem indiciado por isso."

+++ Ministro da Segurança aponta dificuldades para conclusão de caso Marielle

Curicica cumpre pena de quatro anos e um mês por porte ilegal de arma. Antes de ir para o presídio de segurança máxima Bangu 1, ele estava preso em Bangu 9. Segundo a defesa de Curicica, as transferências teriam por objetivo pressionar o ex-PM a confessar a participação no assassinato da vereadora.

+++ Ex-PM ligado a morte de Marielle presta depoimento e nega envolvimento com o crime

Um habeas corpus já havia sido impetrado pela defesa, questionando a transferência, e o julgamento está previsto para a tarde de hoje. "Por que transferir o preso no mesmo dia do julgamento do habeas corpus?", questionou Darlan. "Se a decisão nos for favorável, vão voltar do meio do caminho?"

A transferência contou com viaturas do Serviço de Operações Especiais (SOE) e do Grupamento de Intervenção Tática (GIT) da Seap. Ele deixou Bangu I no início da manhã de hoje, em cumprimento a uma determinação judicial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.