Suspeito de ter sequestrado médico dos bombeiros é preso

Capitão foi baleado durante ação no Rio, mas medalha de anjo da guarda que trazia no peito desviou bala

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2009 | 09h34

A polícia prendeu um suspeito de ter participado do sequestro relâmpago do capitão médico do Corpo de Bombeiros Eduardo Vinícius Melhem, irmão do ator Marcius Melhem, o Radesh, da novela Caminho das Índias. Sílvio José da Silva, o Bidó, de 36 anos, foi acusado de um assassinato ocorrido domingo em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Contra ele havia ainda oito mandados de prisão por sequestro, homicídio e roubo.

 

Veja também:

linkMédico salvo de tiro por medalha no peito tem alta

 

Silva negou ter atirado no capitão, salvo por uma medalha que trazia no peito e acabou desviando a bala, que ficou alojada no ombro direito. Ele, no entanto, confessou ter participado do sequestro relâmpago, informou o delegado Átila Mesquita, titular da 54.ª Delegacia de Polícia (Belford Roxo). Mesmo ferido, Melhem foi levado em seu carro por três criminosos e teve de entregar os pertences, antes de ser deixado num terreno baldio. Ele conseguiu dirigir até a Unidade de Pronto Atendimento de Belford Roxo, onde é coordenador, e pediu socorro.

 

Na segunda-feira, policiais levaram fotografias de Silva até a casa de Melhem, mas o médico não reconheceu o criminoso. "A vítima falava ao celular enquanto dirigia lentamente, para passar no quebra-molas. Ele não percebeu a aproximação dos assaltantes e a primeira coisa que aconteceu foi levar um tiro no peito. Mesmo ferido, foi mantido no carro pelos criminosos. Ele sentia dor e teve de ficar com a cabeça abaixada. Tudo isso pode ter prejudicado o reconhecimento", explicou o delegado Mesquita.

 

Silva foi preso na tarde de domingo, depois de um assassinato ocorrido num campo de futebol. A polícia foi avisada que ele havia cometido o crime. Silva foi preso num bar, armado com um revólver calibre 38. Levado para a delegacia, ele negou o homicídio. Foi preso em flagrante por porte ilegal de arma.

Mais conteúdo sobre:
assaltoviolênciaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.