Suspeito do caso Celso Daniel desembarca em São Paulo

O principal suspeito do assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), José Edison da Silva, chegou no final da noite desta terça-feira ao Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, num vôo comercial da Varig. Ele desembarcou ás 23h44, acompanhado de um policial e do delegado Edson De Santi, do Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado). O delegado afirmou que durante o vôo, o suspeito dormiu a maior parte do tempo. Ao chegar à Guarulhos ele foi transportado para o Instituto Médico Legal, onde passará por exame de corpo de delito. Silva permaneceu algemado durante todo o vôo.Silva está com a prisão temporária decretada e deve levar os policiais, talvez ainda na madrugada de hoje, ao local onde Celso Daniel ficou preso. Ele afirmou que um Tempra preto, de sua propriedade, foi utilizado para levar o prefeito do cativeiro até o local onde ele foi morto. Silva reconhece que participou do seqüestro, mas nega que tenha sido autor dos disparos que mataram o prefeito. Ele também contou que a vítima do seqüestro deveria ser um empresário do Ceasa, mas como o crime não deu certo, os criminosos esperaram pelo primeiro carro importado que aparecesse.De acordo com o suspeito, ele não permaneceu no cativeiro com Daniel; haveria duas pessoas responsáveis pelo local. "Ele pareceu ou quis se fazer de confuso, citou outro integrante do bando, chamado Alex, mas as vezes o chamava de Laércio e de Neguinho", comentou o delegado, que afirmou que as citações a respeito destes personagens serão aceitas "com algumas reservas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.