Suspeito preso pelo PCC é resgatado

Polícia de Catanduva prende tio e sobrinho acusados de abuso

Chico Siqueira, ARAÇATUBA, O Estadao de S.Paulo

21 de janeiro de 2009 | 00h00

A Polícia Civil de Catanduva, a 385 km de São Paulo, resgatou um rapaz de 19 anos, suspeito de pedofilia, sequestrado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) na semana passada. O rapaz, W.S., foi preso preventivamente ontem, acusado de ter abusado, na companhia de um tio, de uma menina de 10 anos. O tio é o borracheiro J.B.N.M., de 46 anos, que foi preso na quinta-feira, acusado de ter abusado de dez crianças. O resgate do rapaz foi feito na noite de sexta-feira, mas só foi divulgado ontem pela polícia.Os policiais investigam se o borracheiro, que agia em portas de escolas, teria molestado 47 crianças, cujos pais fizeram denúncias no Departamento de Educação da prefeitura de Catanduva. Tio e sobrinho negam as acusações."Ele (o rapaz) só conseguiu escapar porque a polícia estava próxima do cativeiro e os sequestradores abandonaram a região", afirmou a delegada interina da Mulher de Catanduva, Rosana Vanni. "Eles iriam matá-lo, possivelmente porque souberam que estaria envolvido com pedofilia", acrescentou.Segundo ela, W.S. foi espancado pelos sequestradores e deve ser indiciado por participação no crime de atentado violento ao pudor. Até ontem à noite, a polícia não tinha prendido nenhum suspeito pelo sequestro.De acordo com Rosana, os pais das crianças que procuraram o Departamento de Educação começam a ser ouvidos hoje. Segundo ela, o envolvimento do PCC no caso deixou muitos pais temerosos. "Alguns estão com medo de fazer as denúncias formalmente, mas estamos garantindo a eles que não há nenhum problema."Ainda de acordo com a delegada, até agora apenas um exame de corpo de delito confirmou um suposto abuso a um menino pelo borracheiro, que já responde por atentado violento ao pudor em Pernambuco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.