Suspeitos colam em Lula para ganhar votos

Sob pressão de aliados que desejam colar suas imagens à do presidente e assim tentar uma eleição tranqüila para governador, senador ou deputado federal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou nesta sexta-feira, 15, uma série de comícios. Durante todo o fim de semana, ele tem um extenso roteiro de eventos, por estados do Norte e Nordeste, em que se verá ao lado dos mais variados sanguessugas, mensaleiros e acusados de desvio de dinheiro público.Lula tem comícios programados para Natal e Aracaju, onde se poderia ver, no mesmo palanque, Nélio Dias (PP-RN), Cleonâncio Fonseca (PP-SE) e Heleno Silva (PL-SE), todos integrantes da grande lista de parlamentares sanguessugas, aqueles que, de acordo com a Polícia Federal, participaram de um esquema para fraudar licitações destinadas à compra de ambulâncias com dinheiro do Orçamento da União. "Essa investida do presidente Lula nos palanques freqüentados por mensaleiros, sanguessugas e outros não visa apenas a beneficiar os candidatos nos Estados, mas a ele também", diz o cientista político David Fleischer, da Universidade de Brasília. "Lula tem perdido alguns pontinhos e isso o preocupa. Quer reconquistá-los". Além do mais, segundo o cientista político, Lula já pensa na governabilidade. A partir de agora, em seu palanque cabem todos. "Nesta reta final é o vale tudo e Deus por todos. Chegou a hora de perder a vergonha para garantir a governabilidade num provável segundo mandato".Em João Pessoa, pela manhã, o presidente Lula vai se encontrar com o maior magote de sanguessugas de todo o Nordeste. Deverão entrar em seu palanque Ney Suassuna (PMDB), Enivaldo Ribeiro (PP), Marcondes Gadelha (PSB), Ricardo Rique (PL), Wellington Roberto (PL) e Carlos Dunga (PTB). No comício, Lula pedirá votos para o candidato ao governo pelo PMDB, José Maranhão, e para Suassuna. Maranhão tenta desbancar do governo o tucano Cássio Cunha Lima.Mais tarde, já em Salvador, Lula poderá ter a seu lado mais dois sanguessugas: Mario Negromonte, líder do PP, e Reginaldo Germano (PP).No domingo, 17, também pela manhã, Lula seguirá para Belém. Terá no palanque um importante mensaleiro, o ex-líder do PT Paulo Rocha, que renunciou ao mandato para não ser cassado. Encontrará ainda com o deputado Jader Barbalho (PMDB), de seu conselho político, acusado de desvio de verbas da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Banco do Pará. Em seu palanque poderão subir ainda Josué Bengston (PTB) e Raimundo Santos (PL), da lista de sanguessugas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.