Suspeitos da morte de caseiro de FHC são presos

Três homens acusados de assassinar o caseiro do presidente Fernando Henrique Cardoso, Joaquim Antonio da Silva, de 57 anos, encontrado morto com dois tiros na madrugada de sexta-feira, na chácara do presidente em Ibiúna, foram presos hoje. Eles integram uma quadrilha especializada em roubos a chácaras da região e temiam serem denunciados pelo caseiro. Os dois primeiros foram presos ainda de madrugada. Eles acusaram outro homem de ter feito os disparos. O terceiro suspeito foi detido por volta do meio dia. Policiais civis de Ibiúna e Sorocaba realizaram as prisões. Eles estavam no encalço do provável chefe do bando, desde a madrugada. A polícia mantinha em sigilo a operação para evitar que ele escapasse do cerco. Os nomes dos acusados ainda não foram divulgados. Silva trabalhava como caseiro para a família do presidente há quase 30 anos. Ele foi morto provavelmente às 22h30 de domingo. Seu corpo foi encontrado na cozinha da casa, logo após à meia noite pelo filho Marcos Antonio da Silva, com quem morava. Marcos trabalhava como jardineiro na chácara de FHC. A porta da casa estava aberta, mas não tinha sinais de arrombamento. Nada fora roubado.Segundo informações de policiais, os autores do crime fazem parte da quadrilha que há mais de um ano vinha realizando assaltos a condomínios rurais e chácaras de recreio da região. O grupo teria saqueado dezenas de propriedades, entre elas a chácara de um irmão da jornalista e apresentadora Silvia Popovic, vizinha do sítio do presidente, roubada há um mês. O caseiro de FHC foi morto porque descobriu as atividades do bando e teria ameaçado denunciá-lo. Silva evitou, há dois meses, um ataque à casa do presidente. Segundo um dos filhos do caseiro, Celso Antonio da Silva, ele viu um homem se esgueirando entre as árvores do jardim, à noite, e disparou um tiro de cartucheira para o alto, a fim de afugentá-lo. O provável ladrão seria integrante do bando. Os acusados eram conhecidos do caseiro que, provavelmente, na noite do crime, abriu a porta da casa para atendê-los. A Justiça decretou a prisão temporária dos acusados. A reconstituição do crime deve ser feita no início da próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.