Suspeitos de assassinar franceses trocam acusações no Rio

A troca de acusações marcou nesta segunda-feira o depoimento dos três suspeitos de matar os franceses Delphine Douyère, Jérôme Faure e Christian Doupes, no 3º Tribunal do Júri, no centro do Rio. Eles negaram a acusação.Társio Wilson Ramires inocentou José Miguel Gonçalves Cardoso e acusou Luiz Gonzaga Oliveira de ter levado as facas e de ter assassinado os franceses. Cardoso apresentou versão semelhante. Já Oliveira disse que Ramires e Cardoso têm um caso e afirmou que tentou impedir a morte dos franceses. O crime ocorreu na manhã do dia 27 de fevereiro, na sede da Ong Terr´Ativa, em Copacabana, na zona sul, onde Társio, Oliveira e os franceses trabalhavam.Társio alegou que tinha ido ao escritório para pedir demissão e cobrar uma dívida de R$ 700. Por este motivo, disse, levou o cofre da ONG na mochila. Ele afirmou ainda que havia sido ameaçado de morte por Delphine e Jérôme por ter se recusado a assumir a culpa por fraudes tributárias supostamente cometidas pela organização.Os acusados afirmaram que tiveram as mãos cortadas ao tentar tirar a faca da mão do assassino e impedir que os franceses fossem mortos. "Ao chegar o primeiro francês (Jérôme), Cardoso e Ramires o abordaram com facas e eu perguntei o que eles iam fazer. Eles amarraram e levaram a vítima. Passados alguns minutos, desceu Delphine e, ao abrir a porta, Ramires a esfaqueou. Perguntei se ele estava maluco, o que estava acontecendo. Tocou a campainha e era o porteiro. Ramires disse para ele que o computador tinha caído. Eu tentei tomar a faca de Ramires para que ele não matasse Delphine e aí eu me cortei. Desci correndo e avisei ao porteiro que Ramires estava matando Delphine. Fui ao posto policial e não tinha ninguém", disse Oliveira ao juiz Sidney Rosa da Silva, titular do 3º Tribunal do Júri.O promotor de Justiça Marcos Kac disse que a participação de cada um poderá ser esclarecida com os depoimentos das testemunhas de acusação, entre elas o porteiro do prédio onde houve o crime, marcados para o dia 9 de abril. Ramires, Cardoso e Oliveira foram denunciados pelo Ministério Público sob as acusações de triplo homicídio, furto qualificado e tentativa de incêndio. No depoimento, Ramires acusou Oliveira de tentar incendiar o apartamento. Segundo ele, porém, Oliveira esqueceu de levar fósforo.

Agencia Estado,

19 de março de 2007 | 20h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.