PMSC
PMSC

Suspeitos de terem participado do assalto a banco em Criciúma são presos no Rio Grande do Sul

Sete pessoas supostamente envolvidas no crime foram encontradas nos municípios de Torres, Gramado e Porto Alegre

Amanda Garcia Ludwig, especial para o Estadão

03 de dezembro de 2020 | 10h11

CRICIÚMA - Foram presos na noite desta quarta-feira, 2, sete suspeitos de terem participado do assalto ao Banco do Brasil de Criciúma (SC). Eles foram encontrados no Rio Grande do Sul. Conforme informações preliminares da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Araranguá (SC), três deles foram encontrados em Torres pela Polícia Rodoviária Federal e encaminhados para interrogatório em Araranguá. Já outros dois foram encontrados em Porto Alegre e permanecem na capital gaúcha, enquanto a Polícia Civil do Estado afirma ter prendido em Gramado mais duas pessoas supostamente relacionadas ao crime.

O interrogatório do trio levado para Araranguá, cidade vizinha de Criciúma, foi iniciado pouco antes de 3h, na madrugada desta quinta-feira, 3. Eles foram detidos enquanto circulavam em um Citroen C4 com placas de Brasília. De acordo com o inspetor Luiz Graziano, da PRF de Santa Catarina, esta é uma integração muito forte das forças de segurança de SC e RS. "Essa prisão deve levar à solução desse crime. Temos um policial militar lutando pela vida, e esse é mais um motivo para a gente se empenhar e prender estes criminosos, mostrando que eles não podem fazer isso em SC e em nenhum outro lugar do Brasil", afirma.

Nesta manhã, o delegado João Paulo de Abreu, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), anunciou também a prisão de dois homens, após as investigações terem apontado que um deles estava escondido em uma residência localizada em uma área conhecida do município. O mandado de busca e apreensão era para um dos suspeitos, localizado no interior da casa. Durante a abordagem, no entanto, outro homem tentou fugir e foi preso em flagrante. Este indivíduo já teria, inclusive, participado de uma tentativa de resgate do líder de uma organização criminosa que atua em São Paulo. "Ainda não temos informações da segunda pessoa presa, a que tentou fugir com a chegada dos agentes. Estamos investigando", declara Abreu.

Possíveis locais utilizados pelos criminosos foram encontrados 

Um galpão com evidências que remetem ao crime foi localizado pela Polícia Civil em Criciúma. O local havia sido alugado, e dentro foram encontradas latas de tintas utilizadas para pintar os carros em que o grupo fugiu.

Também foram encontrados no galpão garrafas de água e ferramentas. O Instituto Geral de Perícias (IGP) também localizou digitais, mas não foi possível saber se seriam dos criminosos ou de pessoas que já trabalharam no local. As evidências serão investigadas.

Na madrugada desta quinta-feira, 3, guarnições do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) encontraram o local que teria sido utilizado como transição para a fuga dos criminosos. Trata-se de uma casa localizada em Três Cachoeiras (RS), cidade gaúcha distante cerca de 100 km de Criciúma.

No local foram encontrados vestígios que indicam a participação no crime. "Roupas com sangue, acionador para explosivos e um veículo furgão", destaca a Polícia Militar de Santa Catarina. Uma pessoa foi detida. Esta ocorrência segue em andamento, e a abordagem conta com a participação do Bope da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Com isso, são oito pessoas presas no Sul do país nas últimas horas, além de uma suspeita presa em uma residência de São Paulo na tarde de ontem.

Prisões nas últimas horas:

  •  Dois homens naturais de São Paulo presos na tarde de quarta-feira, 2, pela PRF na BR-116 em São Leopoldo (RS); com eles, a polícia encontrou R$ 8,1 mil.
  •  Três homens naturais de São Paulo presos na noite de quarta-feira, 2, pela PRF na BR-101, em Passo de Torres (SC); com eles a polícia encontrou R$ 49 mil.
  • Um homem natural do Paraná, com documento de identificação de São Paulo preso na manhã desta quinta-feira, 3, em Morrinhos do Sul/Três Cachoeiras (RS); encontrado em uma residência com materiais utilizados no assalto; teria recebido R$ 5 mil para queimar os materiais.
  •  Um homem natural de Minas Gerais e outro com identidade desconhecida presos na manhã desta quinta-feira, 3, em Gramado; estavam em uma residência alugada por aplicativo em local conhecido do município Gaúcho. Um deles é conhecido por tentativa de resgate de líder de organização criminosa.
  • Uma mulher presa em Parelheiros, distrito de São Paulo na tarde da quarta-feira, 2; ainda não se tem certeza da relação dela com os participantes do crime em Criciúma.

NOTA DA POLÍCIA CIVIL

A Polícia Civil de Santa Catarina informa que, a respeito do roubo ao Banco do Brasil ocorrido em Criciúma na noite de segunda-feira (30), houve considerável progresso nas investigações e foram adotadas todas as providências legais sobre suspeitos do crime, por exemplo, a realização de representações judiciais em relação a esses suspeitos.

Os desdobramentos dos trabalhos investigativos neste momento serão mantidos em resguardo a fim de garantir o sucesso das investigações e tão logo seja possível as informações serão trazidas ao domínio público.

Os trabalhos da Polícia Civil de Santa Catarina no caso prosseguem sendo realizados em conjunto com a Polícia Civil do Rio Grande do Sul, Polícia Civil de São Paulo, Brigada Militar do Rio Grande do Sul, Polícia Rodoviária Federal de Santa Catarina, Polícia Rodoviária Federal do Rio Grande do Sul, além da Polícia Militar de Santa Catarina, Ministério Público de Santa Catarina, Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina (IGP/SC) e Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa de Santa Catarina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.