Suspeitos de tráfico presos em Salvador estão soltos

Durou menos de 24 horas a euforia da polícia baiana por ter desbaratado uma das maiores quadrilhas de tráfico de drogas, na chamada "Operação Abaeté", realizada com 70 policiais na manhã de quinta e que resultou na apreensão de 35 quilos de maconha, três de cocaína, quatro de crack e trinta suspeitos presos. Depois de uma triagem, somente sete, considerados os mais perigosos da quadrilha, foram encaminhados para a Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE). No entanto, esses sete traficantes já estavam na rua antes das 22 horas de ontem, o que desnorteou a cúpula da polícia. O delegado-chefe Edemilson Nunes, acusou o titular da DTE, João Rodrigues de Souza, o carcereiro José Arivaldo Barreto e a agente administrativa Rita de Cássia Silva de terem liberado "indevidamente" os suspeitos e decretou a prisão dos três, orientando a polícia a tentar recapturar os traficantes. "O grupo solto faz parte de uma organização criminosa", explicou Nunes sem saber as razões que determinaram Barreto a soltar os suspeitos, o que vai ser esclarecido através de inquérito policial e uma investigação da Corregedoria da Polícia Civil.

Agencia Estado,

17 Fevereiro 2006 | 17h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.