Suspenso indiciamento de acusados de matar calouro

O indiciamento dos quatro acusados de matar o calouro Edson Tsung Chi Hsueh, de 22 anos, na piscina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), está suspenso por força de liminar do desembargador Gentil Leite, segundo vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ).O recurso beneficia os médicos Guilherme Novita Garcia, Frederico Carlos Jana Neto, que se formaram em 1999; e os estudantes Luiz Eduardo Passarelli Tirico e Ary de Azevedo Marques Neto. Eles seriam indiciados nesta quarta-feira na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), por determinação da juíza do 5º Tribunal do Júri, no Fórum Regional de Pinheiros, Maria Lúcia Ribeiro de Castro Pizzotti Mendes, onde respondem por homicídio qualificado.O crime é considerado hediondo e punível com pena que varia de 12 a 30 anos de prisão, em regime fechado, sem direito a qualquer benefício.A liminar foi concedida em um habeas-corpus assinado por três advogados: José Roberto Batochio, Guilherme Octávio Batochio e Ricardo Toledo Santos Filho. Gentil Leite acolheu o argumento de que o indiciamento constituiria "violência inominável", atentando contra a dignidade dos quatro acusados. Constituiria ainda "vexame insuportável para quem nunca teve qualquer participação no pretenso delito" que lhes é atribuído.A decisão é válida até o julgamento final do habeas-corpus, perante uma das câmaras criminais do TJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.