Suzane recebe ex-tutor em primeiro dia de visita em Rio Claro

Suzane von Richthofen, de 22 anos, condenada na madrugada do último sábado a 39 anos de prisão pela morte de seus pais Manfred e Marísia von Richthofen já pôde receber visitas neste domingo no Centro de Ressocialização Feminino de Rio Claro, a 175 quilômetros de São Paulo, para onde foi encaminhada logo após o julgamento. Seu ex-tutor e advogado Denivaldo Barni chegou ao local por volta das 9h16. Suzane chorou muito quando o viu, mas depois ficou descontraída, de acordo com pessoas que foram visitar parentes.Ainda de acordo com os visitantes, Suzane não se alimentou com a comida do presídio - macarronada e frango foram servidos neste domingo - e acabou comendo algumas mini pizzas levadas por Barni. Regime diferenciadoO Centro de Ressocialização Feminino de Rio Claro tem um regime diferenciado. Ao contrário da maior parte das penitenciárias do Estado de São Paulo, lá não há celas. São nove alojamentos com beliches e ventilador no teto. As reeducandas, como são chamadas, participam de oito oficinas nas quais aprendem tricô e crochê, entre outras atividades. Todas trabalham para empresas que mantêm convênios com o local e recebem de 30 a 40 reais por mês. A cada três dias trabalhados, é descontado um dia da pena. Algumas até estudam. Após trabalharem até as 16h30, elas têm liberdade para caminhar pelo presídio, freqüentar a biblioteca do local e assistir televisão das 18 às 22 horas. Suzane, que já estava presa em Rio Claro antes de seu julgamento, está trabalhando na fabricação de prendedores de roupas, uma atividade que costuma machucar os dedos, de acordo com parentes das reeducandas. Os parentes afirmaram ainda que apesar de muito quieta, Suzane tem um bom relacionamento com todos os outros dentro do presídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.