Suzane Richthofen sairá da prisão às 18 horas, diz diretora

Suzane von Richthofen, de 22 anos, será transferida para prisão domiciliar por volta das 18 horas desta segunda-feira, 29, segundo a diretora do Centro de Ressocialização Feminino de Rio Claro, Irani Torres. A ex-estudante de Direito será escoltada por viaturas do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de São Paulo do presídio até o endereço que passará a ocupar na capital. Irani não informou qual será o endereço e disse que é a primeira vez que uma presa é escoltada pelo DHPP desde que assumiu o cargo o Centro de Ressocialização, há quatro anos. Irani comentou que Suzane pediu para não ser fotografada ou filmada na sua saída.Ré confessa do assassinato dos pais, Manfred e Marísia von Richthofen, junto com seu ex-namorado Daniel Cravinhos e o irmão dele Christian, em 31 de outubro de 2002, em São Paulo, Suzane deverá ficar na casa de seu tutor, o advogado Denivaldo Barni, na zona sul da capital.Após ser solta em junho de 2005, Suzane voltou para a prisão em 10 de abril, quando o juiz Francisco Chequini, do Tribunal do Júri, decretou a prisão da jovem, acatando pedido do promotor Roberto Tardelli. O promotor baseou seu pedido em uma reportagem publicada com exclusividade pelo Estado, em 8 de abril, informando que Suzane queria cuidar do patrimônio da família.PrisãoNa época, o promotor disse que o irmão de Suzane, Andreas, corria risco de morrer. "Andreas é inventariante (administrador dos bens dos pais), autor da ação de exclusão de herança e testemunha no processo. Ou seja, ele se tornou um obstáculo vivo para que ela alcance seu objetivo, que é dinheiro", disse Tardelli.A reportagem do Estado revelou que, no fim de fevereiro, Suzane procurou a Justiça pedindo para se tornar a gerente do patrimônio dos pais. A petição, assinada pelo advogado Denivaldo Barni Júnior, ataca Andreas duramente, dizendo que ele cuida dos bens com "total descaso e desleixo", age "com patente má-fé" e tenta manipular o Judiciário. O pedido de prisão também citou a reportagem exibida no dia 9 de abril no Fantástico, da Rede Globo, em que - orientada expressamente pelos advogados - Suzane simulou chorar 11 vezes e tentou parecer uma criança traumatizada.JulgamentoEstá marcado para 5 de junho, no Fórum da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, o início do julgamento de Suzane e dos irmãos Daniel e Christian Cravinhos, seus cúmplices no assassinato.Os três confessaram terem assassinado os pais dela a golpes de paulada na madrugada de 31 de outubro de 2002. Eles simularam um assalto para desviar o foco da polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.