Suzane Richthofen vai ficar isolada em presídio de Tremembé

Depois de passar pelas penitenciárias de Rio Claro, São Paulo e Ribeirão Preto, Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos e seis meses de prisão pela participação na morte dos pais, foi transferida na tarde desta sexta-feira, 2, para a penitenciária feminina de Tremembé, no Vale do Paraíba. Inicialmente, Suzane vai ficar em uma cela isolada na penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier para observação. De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), não se sabe exatamente quanto tempo ficará isolada e durante este período fará exames de saúde e psicológicos. Se o Estado constatar que a integridade da estudante não será colocada em risco, ela poderá conviver com outras 176 detentas, em regime fechado. Suzane chegou em um caminhão da SAP por volta das 17 horas. O veículo foi escoltado por uma ambulância e também por uma viatura da Polícia Militar. Do lado de dentro do presídio de segurança máxima outros três policiais aguardavam, fortemente armados, a chegada da estudante, que só pode sair do caminhão depois que os portões se fecharam. Não houve nenhum acesso da imprensa, que esperou a chegada dela por sete horas. Curiosidade O presídio fica ao lado da principal igreja do município, a Basílica Menor de Bom Jesus. Nas casas simples ao lado da penitenciária, a vizinhança estava eufórica. "Ah, é aquela loira que vem pra cá?" perguntavam, curiosos para ver a jovem que matou os pais há quatro anos. A cidade tem 35 mil habitantes e quatro penitenciárias. Em uma delas, também de segurança máxima, estão os irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, autores do assassinato de Marisa e Manfred von Richthofen. Suzane estava desde setembro do ano passado em Ribeirão Preto e estaria, conforme relato dela mesma ao Ministério Público, recebendo ameaças de outras presas. A cidade de Tremembé foi apontada por Suzane como uma possibilidade de transferência por estar localizada próxima da capital paulista, a 138 quilômetros. No presídio, onde há pelo menos dez anos não há rebeliões, a SAP mantém quatro oficinas onde são fabricadas malhas e produtos telefônicos. No presídio datas comemorativas como Páscoa, Dia das Mães, Festas Juninas e até Dia sem Tabaco, são festejadas pelas presas com atividades culturais como peças de teatro e corais.

Agencia Estado,

02 Fevereiro 2007 | 18h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.