Tachada de "antro de maconha", PUC-SP vai à Justiça

Suzane von Richthofen, de 21 anos, matou os pais no ano passado, com a ajuda do namorado, Daniel, e do irmão dele, Christian. O crime está sendo julgado, mas dele nasceu uma briga curiosa que corre no Judiciário. O conhecido psiquiatra Içami Tiba está sendo processado nas esferas criminal e cível pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo.O motivo? Ao analisar o que teria levado Suzane ? que estudava direito na PUC ? a matar os pais, ele afirmou: ?A PUC é um antro de maconha.?As afirmações do psiquiatra foram feitas em entrevista, ao vivo, concedida à Rádio Eldorado em 9 de setembro. Naquele dia, a polícia anunciara que Suzane era a autora do crime, ao lado do namorado e do irmão. A jovem admitira, ainda, que fumava maconha com o namorado.Médico, escritor com 14 livros publicados sobre adolescência, sexualidade, educação, entre outros temas, Tiba foi entrevistado para comentar o que levaria uma jovem rica, bonita, que estudava na PUC, a matar os pais.Aí é que começa a briga. Num primeiro trecho, o médico declarou: ?A PUC tem uma ideologia de favorecer o uso da maconha. A PUC é um antro de maconha. Os alunos que vão lá já sabem disso, não é? Até os corredores têm os fumódromos, os bares em volta. Fumam maconha sob os olhos grossos da própria diretoria da PUC. Então, todo mundo sabe: quem vai para a PUC pode fumar maconha lá dentro, que não lhe acontece nada?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.