JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Talude de mina em Barão de Cocais se movimenta quatro vezes mais que medições iniciais, diz ANM

Em dez dias, estrutura passou a se movimentar de quatro a 16 centímetros por dia

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

24 de maio de 2019 | 15h31

Belo Horizonte - O talude da mina de Gongo Soco, da barragem Sul Superior, da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) passou a se movimentar 16 centímetros por dia, quatro vezes mais que medições iniciais, em pontos mais críticos, e 12 centímetros por dia em sua porção inferior, conforme relatório divulgado hoje, 24, pela Agência Nacional de Mineração (ANM).

No último dia 13, a Vale comunicou às autoridades que o talude apresentava movimentação. À época, de quatro centímetros por dia. A previsão feita, depois do anúncio é que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este sábado, 25.

Na segunda-feira, 20, porém, o secretário de Estado de Meio Ambiente, Germano Vieira, afirmou que o talude vai se romper, mas que isso poderia ocorrer também depois do prazo previsto.

O principal risco do desmoronamento do talude é que, ao ruir, para dentro da cava da mina, provoque abalo sísmico com intensidade suficiente para romper a barragem Sul Superior, que está 1,5 quilômetro da mina. A estrutura já passa por problemas de sustentação. Em 22 de abril, teve alerta de estabilidade elevado a 3, o mais alto da escala, que significa rompimento iminente.

Caso se rompa, a lama da barragem atingirá três municípios, conforme estudo de impacto da Vale: Barão de Cocais, Santa Bárbara e São Gonçalo do Rio Abaixo. Um muro de contenção está sendo erguido entre a estrutura e Barão de Cocais, para tentar reter a lama, caso a barragem se rompa.

Com a palavra, a Vale

Em nota, a Vale reforçou que adotou todas as medidas preventivas em Barão de Cocais, desde 8 de fevereiro, com o objetivo de assegurar a segurança dos moradores da região.

"Além da retirada preventiva dos moradores da Zona de Autossalvamento, a Vale apoiou as autoridades na realização de simulados e na preparação das comunidades para todos os possíveis cenários, com equipes de prontidão permanentemente. Tanto o talude da mina de Gongo Soco como a Barragem Sul Superior estão sendo monitorados 24 horas por dia e as previsões sobre deslocamento de parte do talude, revistas diariamente", informou a empresa.

"A Vale reforça que não há elementos técnicos que possam afirmar que o eventual deslizamento de parte do talude poderia desencadear a ruptura da barragem. Mesmo assim, reitera que todas as medidas preventivas foram tomadas e segue à disposição das autoridades para prestar todo apoio possível", concluiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.