TAM e Gol negam responsabilidade por atrasos em vôos

A Gol e TAM manifestaram-se nesta quarta-feira sobre a decisão do Procon de São Paulo de autuar as duas companhias sob a alegação de que elas não teriam realizado planos de contingência para os feriados dos dias 15 e 20 de novembro e serem responsáveis pelos atrasos ocorridos nas datas. As empresas são campeãs em número de reclamações de passageiros recebidas pelo Procon.A TAM afirmou, por meio de nota, que foi notificada pela instauração do processo e que "adotará as providências cabíveis após analisar os fundamentos jurídicos e legais que motivaram tal medida". Para ela, as companhias estão isentas da responsabilidade dos atrasos nos vôos, por "terem ocorrido exclusivamente em decorrência" de problemas no tráfego aéreo"."(Os atrasos e cancelamento de vôos) têm ocorrido exclusivamente em decorrência de suas aeronaves não receberem das autoridades aeronáuticas competentes as necessárias autorizações para pousos e decolagens nos horários previamente estabelecidos", diz a nota.A companhia conta que "enviou os melhores esforços" para amenizar a situação caótica que tomou conta dos aeroportos do Brasil em razão de problemas com os controladores de vôo em Brasília. Segundo a empresa, as equipes de atendimento nos principais aeroportos foram reforçadas e a companhia "manteve seu plano regular de assistência aos passageiros."Já a Gol informou, por meio da assessoria de imprensa, que "a empresa entregou, sim, o plano de contingência no dia 17 de novembro".As duas empresas tem 15 dias a partir desta quarta-feira para enviarem seus recursos de defesa ao Procon-SP. Ambas podem receber multa de R$ 212 a até R$ 3,192 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.