TAM reverte prejuízo no 2o tri, com lucro de R$60,3 mi

A companhia aérea TAM reverteu no segundo trimestre prejuízo de um ano antes, mas o resultado representou uma queda de 53 por cento sobre os três primeiros meses do ano, em meio a aumento de custos e redução de preços de tarifas.

REUTERS

10 Agosto 2011 | 09h56

A maior companhia aérea do país teve lucro líquido de 60,3 milhões de reais, revertendo prejuízo de 174,8 milhões de reais apurado no mesmo período do ano passado. No primeiro trimestre o resultado foi positivo em 128,8 milhões de reais.

Em meio a um aumento da competição no mercado doméstico, em que a Azul se consolidou como terceira maior empresa do setor e a rival mais próxima Gol trabalha para adquirir a Webjet, a TAM reduziu preços de tarifas tanto na comparação anual quanto sobre os três primeiros meses do ano.

O yield doméstico, indicador que mede o preço de passagens, recuou 2,4 por cento sobre os três primeiros meses do ano e despencou 21 por cento na comparação com o segundo trimestre do ano passado.

Enquanto isso, as despesas operacionais da companhia, que tenta criar com a chilena LAN a maior linha aérea da América Latina, subiram 3,6 por cento sobre o primeiro trimestre e 16,4 por cento sobre um ano antes.

O indicador "cask", outro medidor importante dos custos de uma companhia aérea --que indica as despesas operacionais por assento por quilômetro percorrido--, subiu 13,9 por cento sobre o segundo trimestre de 2010 e cresceu 6,2 por cento sobre os três primeiros meses do ano. Excluindo combustível, os aumentos foram de 8,4 e 6,7 por cento, respectivamente.

Enquanto isso, a receita líquida operacional por assento por quilômetro ("rask"), subiu ligeiros 1,9 por cento sobre um ano antes e recuou 1,6 por cento sobre o primeiro trimestre.

Segundo a TAM, o aumento de 16,4 por cento nas despesas se deve principalmente ao aumento nas despesas com combustíveis (28,1 por cento), pessoal (25,1 por cento) e serviços de terceiros (16,6 por cento).

Com isso, a geração de caixa medida pelo Ebitdar --sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e aluguel de aeronaves-- totalizou 312,8 milhões de reais no segundo trimestre, alta de 8,2 por cento sobre um ano antes e queda de 17,8 por cento no comparativo trimestral. A margem Ebitdar, por sua vez, foi de 10,2 por cento, ante 11,1 por cento na comparação anual e 12,5 por cento de janeiro a março.

A empresa apurou uma receita líquida de 3,05 bilhões de reais no segundo trimestre, alta de 17 por cento sobre um ano antes e de ligeiros 0,4 por cento sobre o faturamento de janeiro a março.

A TAM manteve sua perspectiva de crescimento da demanda no mercado doméstico brasileiro em uma faixa de 15 a 18 por cento este ano, enquanto no primeiro semestre houve expansão de 21 por cento. A companhia estima um incremento de oferta de 10 a 13 por cento, com uma taxa de ocupação de suas aeronaves de 73 a 75 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Mais conteúdo sobre:
AEREASTAMRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.